• Imprensa

Conheça as 7 reclamações mais comuns dos casais nas terapias

Alguns comportamentos são muito comuns nas terapias de casais


Publicado em PortalMídia, 01.03.19

Por: Michele Marques

A terapia de casais é uma alternativa que muitos parceiros recorrem para tentar salvar a relação. Este valioso recurso pode transformar a vida dos companheiros e conseguir fazê-los superar as situações difíceis que todas as relações passam. “E, se antes, a iniciativa partia principalmente das mulheres, agora os homens têm se mostrado cada vez mais interessados nessa terapia a dois”, diz Margarete Volpi, psicoterapeuta do casal e familiar, ouvida pelo UOL. Contudo, nem sempre é possível salvar a relação, principalmente em casos onde já ouve desrespeito e o amor acabou, ressalta a terapeuta.


Os especialistas listaram as sete reclamações mais comuns ouvidas nos consultórios. Confira:

1. Pouco sexo – O sexo costuma ser um termômetro da relação, ou seja, quando o casal não está bem na cama, isso demonstra que eles estão com problemas. Entre as maiores justificativas para a queda na frequência do sexo estão cansaço, estresse no trabalho, demanda de filhos, privação de sono e baixa autoestima.

2. Traição – Quem procura a terapia por este motivo, realmente quer salvar a relação, esclarece Marina Vasconcellos, terapeuta de casal e família pela Unifesp. “Normalmente, a traição é acarretada por falta de diálogo entre as partes. Isso acaba fazendo o outro se sentir invisível, rejeitado, pouco amado”, explica.

3. Dificuldade de falar – Muitos parceiros não falam sobre suas necessidades e anseios por medo da reação do outro, o que acarreta em comportamentos agressivos. Segundo as especialistas, é importante evitar acusações para que o outro não fique na defensiva.

4. Problemas psiquiátricos – Crises de insônia, depressão, estresse, ansiedade. Todas essas situações podem minar a relação. “Se a pessoa aceitar se tratar e se houver amor, é possível reverter a crise”, diz, Marina.

5. Liberdade sexual – Para o casal se abrir a novas experiências conjugais, é preciso que eles tenham a mente muito aberta, ser muito seguro e abusar do diálogo. E, claro, é necessário que exista um consenso absoluto de ambas as partes na hora de tomar decisões como essa.

6. Uso excessivo do celular – Com o uso cada vez maior dos smartphones, alguns parceiros se sentem invisíveis para a outra parte.

7. Recusa da maternidade – Com a autonomia cada vez maior das mulheres em relação à maternidade, a questão de ter ou não filhos vem se tornando um assunto cada vez mais discutido nos consultórios. A crise normalmente acontece quando o marido faz questão de ter filhos.

+55 [11] 97416-1008
Rua Cardoso de Almeida, 788 – Conj. 53
Perdizes - São Paulo, SP - 05013-001

Marina Vasconcellos

Psicologia - Perdizes, São Paulo/SP
  • facebook-marina.vasconcellos.psicoterapeuta
  • linkedin-marina-vasconcellos